segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Uma criança








A criança corria, o mundo fugia debaixo dos pés
ia crescendo na onda do tempo ao sabor das marés,
oferecia magia, criava alegria, risos eram mil
seu olhar brilhava enquanto brincava no parque infantil;

Cantava, saltava e dançava, inocência sem dor
qual flor delicada, nascida e criada em ninho de amor,
mundo de cor, estrela maior,  arco-íris no ar
rosa sem espinho, ternura e carinho, a desabrochar;

Pétalas encarnadas, talvez encantadas por fada de luz
ventos de harmonia, de noite e de dia, ainda sem cruz,
da tranquila idade para a mocidade sem poder escolher
aquela criança, depois da bonança, será uma mulher;

Tanta felicidade lembrará mais tarde no livro da vida
da infância pura, ingénua e segura, já não permitida,
falará de saudade e da liberdade de que usufruiu
nostalgia dum tempo, tão simples e lento, que ontem partiu.


Malik

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.