quarta-feira, 12 de outubro de 2016

A correr








Correndo por entre os carros
que não param de buzinar,
mais um dia a stressar
em movimentos mecanizados;

Que droga de vida esta
em que o tempo é o senhor,
sem prazer, sem sabor
onde se perdeu a festa?

Ouvem-se palavras vazias
de emoção ou sentimento,
corre tudo contra o tempo
ninguém busca as alegrias;

Para quê tanta cegueira
tanta surdez e mudez,
satisfação outra vez?
Nunca, com tanta canseira;

Parei e olhei o céu
lindas nuvens a passar
ouço um pássaro cantar,
uma joaninha no chapéu;

Por uns segundos pensei...

Sem sabor, sem saber,
já nem sei o que é viver...


Malik

4 comentários:

  1. Este poema além de lindo é uma reflexão. É muito difícil conciliar tudo e, cada vez mais, temos a sensação de andar sempre a correr. Contudo, é muito importante reservar algum do nosso tempo para coisas simples e que nos trazem felicidade, tais como, olhar o céu, contar as estrelas, estar com a família, ouvir um passarinho cantar, entre muitas outras!
    Adorei!!!

    ResponderEliminar
  2. Obrigado! É para reflectir...
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  3. Ter tempo para nós, para a família, sem correrias, sem rotinas instaladas,basta tomar juntos um simples café, ir ver um por do sol... partilhar, saborear, viver.
    O teu poema é uma reflexão que nos obriga a parar e pensar!

    ResponderEliminar
  4. Exacto! Já basta sermos escravos do tempo...

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.