quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Sei que me esperas na foz






O rio corre p’ro mar
nele flutuo até à foz,
sigo o curso a divagar
deixando-me navegar
ao encontro de um nós;

Esse encontro está a casar
há muito o nosso destino,
chegou o tempo de aceitar
que é hora de assentar
e cumprirmos o caminho;

A boémia acabou
o passado diz-nos nada,
a vida nem começou
o sol ainda não acordou
vamos pegar essa estrada;

Aguardas-me ansiosa
sem sombras na tua voz,
estarás perfumada de rosa
delicada, maravilhosa,
sei que me esperas na foz;

Sei que me esperas na foz...
Onde o rio encontra o mar, começaremos o nós...


Malik

2 comentários:

  1. Rios que querem fluir, ir ao encontro de...algo ou alguém.
    Um poema muito bem estruturado de que gostei.
    Obrigado.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.