domingo, 15 de janeiro de 2017

Um pôr do sol







Fui até junto do mar
precisava descansar
do bulício da cidade,
as nuvens estavam ausentes
os raios de sol presentes
cobrindo-me de saudade;

Recordar os nossos dias
de marés e maresias
antes de a vida levar-te,
sinto a falta desse amor
neste espectáculo de cor
que é o sol a deitar-se;

Há no mundo muita beleza
mas trago comigo a certeza
que não há coisa mais bela,
pena que tu minha amada
agora noutra jornada
não me pintes esta tela.


Malik

4 comentários:

  1. No entardecer, junto ao mar escuta as ondas...elas vão e voltam, ora mais suaves, ora num batido de um "presto"...quem sabe o mar não te devolve esse amor.
    O mar tem magia e desejo que pintes essa tela em branco com o mais belo amor de marés e maresias com raios de sol e toda a felicidade .
    Gostei do poema.

    ResponderEliminar
  2. O que foi... foi...
    Obrigado pelas palavras, obrigado por gostares.
    O meu beijo.

    ResponderEliminar
  3. Não e bem assim...
    Ha momentos que nunca se apagam...estão escritos não na areia da praia, mas nas estrelas.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  4. Sim, graças a Deus! A vida vale por esses momentos já escritos, pelos que se escrevem hoje e pelos que se escreverão amanhã. A vida são momentos. Vivamos cada momento!
    Beijo.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.