terça-feira, 14 de março de 2017

À varanda








Gosto de vir até aqui
quando a vida não é branda.
Gosto desta varanda.
Gosto do velho cadeirão onde me sento confortavelmente
como quem se prepara para uma longa viagem.
Sem bagagem.
Liberto o pensamento para que voe sem tempo,
só ele sabe voar assim, para lá do horizonte
como se construísse uma ponte.
Sabendo ser selectivo,
vai de imagem em imagem
onde a censura não tem margem.
É suavemente intenso
deixando-me sempre mais leve,
sei que regresso em breve.
Gosto desta varanda.
Daqui, deste vale profundo
nem o cume da serra me impede de olhar o mundo.

Gosto de vir até aqui.



Malik

8 comentários:

  1. Gosto do poema. Gosto da tua varanda. Gosto de quando a alma consegue ver mais que o nosso olhar...
    Gosto de gostar da simplicidade da vida.
    Beijo, querido Malik

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado.
      Gosto muito dos teus gostos!
      Beijos, minha querida.

      Eliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.