sexta-feira, 24 de março de 2017

Desalento







Desalento,
à margem do tempo
ao sabor do vento
num vazio sem fim.
Já nada acalento,
já nada lamento,
perdi-me de ti,
perdi-me de mim.


Malik

10 comentários:

  1. Em poucas palavras, podemos expressar tantos sentimentos.
    Gostei do poema.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. singelo sem singeleza, simples mas muito bonito.
    Beijinhos e bfds.

    ResponderEliminar
  3. Há dias em que nos sentimos assim, e o desalento toma conta da nossa alma.
    Nostálgico e belo poema
    Um abraço
    Maria

    ResponderEliminar
  4. Não gosto nada quando o desalento toma conta de mim e me deixa sem rumo, parece que tudo perde o seu sentido. Pelo contrário, gostei e muito deste poema.
    Boa semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bom gostares Rita, obrigado!
      Bjs. e boa semana!

      Eliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.