terça-feira, 21 de março de 2017

Dilemas







Deixo-me abraçar pela inquietude
enquanto a melancolia me invade,
preciso desenhar uma atitude
que ignore a longitude,
que não castre a liberdade;

Estranho sentir incerto,
nem lhe conheço a razão,
é oásis sem deserto
num infinito tão perto,
em espaço de solidão;

Para agravar o dilema,
disponho de papel e pena
mas não da solução.


Malik

8 comentários:

  1. É.preciso esperar o tempo certo para que a solução chegue. Acredita, sempre.
    Lindo o poema, mas triste....um estado de alma, diria!
    Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grato pelas palavras e por gostares.
      Beijo.

      Eliminar
  2. Um estado de alma. Apesar da tristeza que se sente, é muito belo.

    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, Cidália. Bom gostares!
      Beijinho.

      Eliminar
  3. Um poema que transmite bem a inquietação da alma perante uma tão necessária quanto desconhecida solução.
    Às vezes, o truque é não procurar uma solução plena, mas sim pequenas soluções que nos vão ajudando aos poucos a apaziguar a alma.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Grato, Rita!
    Tudo tem uma razão...
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  5. Uma delícia neste dia da poesia.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.