terça-feira, 9 de maio de 2017

De amor nua







De amor nua
bailando na brisa
que teima em passar,
é filha da rua
maior poetisa
que sabe ensinar;

Cabelos ao vento
acorda dorida
de tanto dançar,
é o desalento
da alma sentida
que a faz soluçar;

Um raio de luz
calor do universo
para a consolar,
vida de cruz                                    
caminho incerto
para onde rumar?


Malik

4 comentários:

  1. Há sempre um rumo certo. Lindo poema!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  2. É nas incertezas que sobra espaço para nos redescobrirmos, por isso é seguir o caminho e ver onde vai dar. De qualquer modo será melhor do que ficar parado!
    Gostei muito, um beijinho!

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.