segunda-feira, 15 de maio de 2017

Feitiço







Teu olhar cigano
profundo, profano
doce como mel,
fogueira acesa
desejo na mesa
manjar infiel;

Amor proibido
que só faz sentido
para quem o viveu,
nem todo o universo
em prosa ou em verso
nunca o descreveu;

É como um feitiço
a que estou submisso
de corpo e alma,
tal qual um bruxedo
coragem e medo
tempestades e calma;

Delírio gostoso
prazer e gozo
sem espaço nem tempo,
como uma melodia
toda a noite e dia
da qual me alimento.


Malik

1 comentário:

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.