quinta-feira, 27 de abril de 2017

Um gatinho







Regressava eu a casa
às tantas da madrugada
numa noite de luar,
caminhando pela rua
sombria, deserta, nua
pareceu-me ouvir miar;

Parei e fiquei atento
não fosse a voz do vento
a tentar-me confundir,
fiz o silêncio devido
apurei o meu sentido
e um miar voltei a ouvir;

Qual não foi o meu espanto
quando surge por encanto
um gatinho bem parecido,
saído de um jardim
caminhava para mim
como quem está perdido;

Um dilema a nascer
sem saber o que fazer
retomei o meu caminho,
andando bem devagar
indeciso, a pensar
atrás de mim o gatinho;

Seguiu-me até casa
junto à lareira sem brasa
deitou-se sem qualquer drama,
de manhã ao acordar
o gatinho fui encontrar
junto aos pés da minha cama!


Malik

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Deslumbramento






Ouvi um poeta cantar
seu amor à natureza,
às montanhas e ao mar
às estrelas, ao luar
paraísos e beleza;

Dei por mim a procurar
pela maior perfeição,
difícil de encontrar
comecei a vasculhar
o meu próprio coração;

Paisagens, animais, melodias
de tudo um pouco encontrei,
coisas simples, alegrias
que com o passar dos dias
sem perceber as guardei;

Mas nada se assemelhava
ao que o poeta cantou,
até seu olhar brilhava
quando da natureza falava
todo o mundo o adorou;

Navegando o pensamento
desfolhei um malmequer,
as folhas, levou-as o vento
que me trouxe o deslumbramento
do corpo de uma mulher!


Malik

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Formatação







Sinto-me um feliz vagabundo
num mundo que vive ao segundo
sufocando o ser humano,
de alma já definhada
dei por mim a não querer nada
e a abandonar o rebanho;

Sem ponta de arrependimento
sou agora dono do tempo
que volto a sentir passar,
disse adeus à hipocrisia
abracei um novo dia
com outra forma de estar;

Até as cores ganharam vida
após a minha saída
do fato padronizado,
o olhar e não ver
e o viver por viver
fazem parte do passado;

Algo vai mal nesta sociedade formatada,
amanhã serão bem mais
a dar por si e a não querer nada!


Malik

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Mentira







Não sei se é ódio ou inveja,
aquilo que move essa gente
que te oferece de bandeja
a culpa de um inocente;

Soubessem eles de carma
ou da dita lei do retorno,
e não usariam tal arma
nem aceitavam suborno;

A mentira sempre avaria
ao cruzar-se com a verdade,
tudo se descobre um dia
bem mais cedo do que tarde;

Tivesse a mentira aroma,
por certo não seria a erva
nem a nada que se coma.


Malik

domingo, 16 de abril de 2017

Um anjo no caminho








Cansado da vida, no stress enjaulada, decidi partir
mochila às costas,  fiz-me ao caminho, sem saber por onde ir,
dias a fio, andei sem destino, sem olhar para trás
colinas e rios, vales e montanhas, procurando por paz;

A noite caía, pegava na lua, p’ra minha almofada
ficava pensando, buscando um sentido, p’rá vida pesada,
olhava as estrelas, sentadas no céu, bem perto de Deus
sorrindo aos homens, até à aurora, hora do adeus;

Antes de dormir, fazia uma prece, de amor e perdão
pedindo aos anjos, duendes e fadas, que me dessem a mão,
na última noite, um Anjo desceu, e veio até mim
contou-me um segredo, regressou voando, para o seu jardim;

Quando acordei, pensei que estava, ainda a sonhar
lembrei do segredo, ergui-me sem medo, decidi voltar,
todo o caminho, percorri sozinho, sem pranto ou dor
cheguei ao destino, para dar carinho, e falar de amor.



Malik

(Reeditado)

segunda-feira, 10 de abril de 2017

A poesia







A poesia...
Uma forma disforme
de dar expressão à alma,
quem a procura tem sede e fome
de se abandonar em calma.

Como é bom deixar-nos ir
ao sabor de emoções,
despindo sentimentos,
caminhar de encontro aos ventos
de cabeça levantada
calcorreando uma estrada
à mercê dos elementos,
bebendo cada palavra.

A poesia...
A poesia é a noite...
A poesia é o dia...


Malik