sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Outono








Respira-se melancolia
não tem nada que enganar,
já é mais pequeno o dia
pressente-se a nostalgia
é o outono a chegar;

O sol perdeu vigor
o orvalho regressou,
a floresta mudou de cor
sem a arte de um pintor
e a temperatura baixou;

As árvores vão-se despindo
sem reservas ou pudor,
de nudez se vão vestindo
seus corpos vão exibindo
como quem se abre ao amor;

O cheiro a terra molhada,
o bailado das folhas no vento,
tela em tons de amarelo pintada
por uma alma bem amada
que assim parou o tempo.



Malik

4 comentários:

  1. Há momentos em que a inspiração nos brinda com as palavras e a métrica perfeita em cada sílaba. É assim que vejo este poema. Perfeito e belo. E não posso ser indiferente à excelente imagem.
    Este é o mais belo poema de outono.

    ResponderEliminar
  2. Assim fico sem palavras...
    Obrigado!
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  3. Querido Malik,
    O Outono deve estar a sorrir e a sentir-se lisonjeado com tão belas palavras!
    Beijinho e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  4. Obrigado, minha querida Fia.
    Bom fds.
    Beijinho.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.